Boas Práticas

  • A Criança e o Esporte

    Com o crescimento dos programas de esportes juvenis, inúmeras crianças buscam a prática do esporte através de clubes, colégios e escolas especializadas. Dentro deste ambiente, é possível perceber que os eventos esportivos, as competições e os treinamentos direcionados às crianças são estruturados com base nos modelos de programas de competição de adultos.

    Isto também se confirma nos estudos de Brauner (1994), ao analisar as “Intervenções Pedagógicas em Programas de Iniciação ao Basquetebol” e Vozear (1998) nos estudos em Escolinhas de Futsal, quando ambos observam uma prática pedagógica tradicional, centrados na competição, no êxito e na seletividade, incidindo numa Iniciação Precoce. Sendo então, a Iniciação Precoce uma realidade, pode-se citar Martens (1986), em seu estudo sobre a Iniciação Esportiva nos Estados Unidos (em DURAND, 1988), quando verifica que o começo se dá antes dos 5 anos de idade em várias modalidades , sendo que na natação e ginástica isto pode ocorrer aos 3 anos.

    Para a Federação Europeia de Psicologia do Esporte (1996), existe alguns motivos que levam a criança a esta prática precoce. Entre eles podemos citar o aumento dos esportes organizados, o próprio interesse das crianças aguçado pela mídia, o desejo dos pais na busca do desenvolvimento físico e psíquico (socialização) de seus filhos e por fim a busca de talentos, resultando num recrutamento esportivo precoce.Deste modo, no s últimos anos, tem-se discutido detalhadamente o fenômeno da

    proj_673_foto

    “Iniciação Esportiva”, sua atual precocidade, bem como, a controvérsia que é gerada pelo tema, o que acaba possibilitando o aparecimento de outras conceituações paralelas, como “Especialização  Esportiva Precoce” ou “Treinamento Esportivo Precoce” (TEP), aumentando ainda mais a confusão conceitual já existente.(VARGAS NETO, 1999)

     

    Riscos de tipo psicológico

    Neste bloco são agrupadas todas as consequências negativas do TEP e das competições que se relacionam com a conduta e o estado mental dos sujeitos. Em crianças competidoras foram encontrados níveis anormalmente altos de ansiedade, estresse e frustração; são conhecidos casos de talentos esportivos com futuro promissor que hoje se sentem martirizados internamente por fracassos e desilusões resultantes de maus resultados em competições.

    De qualquer forma o fato mais preocupante psicologicamente, é o que alguns autores chamam de “infância não vivida”, por culpa da alta dedicação aos treinamentos exigida principalmente em algumas modalidades esportivas, que pode chegar a várias horas ao dia durante todos os dias da semana, acrescentando ainda mais a atividade escolar. Kunz (1994) detectou que isto pode provocar uma formação escolar deficiente, e pior, parece ser que a criança esportista participa menos das brincadeiras e jogos do mundo infantil, atividades estas que são indispensáveis ao pleno desenvolvimento de sua personalidade.

Aqui você terá acesso a experiências pedagógicas do Prêmio Petrobras de Esporte Educacional que foram validadas e classificadas como Tecnologias Sociais de Esporte Educacional pela Comissão Julgadora.

Este banco de Boas Práticas poderá ser consultado tanto por instituições e pessoas ligadas ao Esporte Educacional, quanto pelo público em geral. A intenção é disseminar o conhecimento sobre o tema e criar um espaço de troca de saberes, contribuindo, assim, para o fortalecimento da rede de Esporte Educacional.

As Boas Práticas estarão disponíveis após o período de seleção. Acompanhe a nossa Agenda e fique ligado!

Fórum

Em breve um espaço para discussão e troca de experiências.

Somos uma empresa integrada de energia comprometida com o presente e futuro de nosso país. Acreditamos que o esporte é uma importante ferramenta de desenvolvimento humano e social, e por isso, lançamos, em 2010, o Programa Petrobras Esporte & Cidadania, que reconhece o esporte como um direito de todos.

As ações desenvolvidas no esporte educacional estão de acordo com as seguintes linhas de atuação: atendimento direto a crianças e adolescentes, fortalecimento das Redes de Esporte Educacional e Incentivo a tecnologias sociais para o esporte.

É neste contexto que se insere o Prêmio Petrobras de Esporte Educacional, que vai premiar experiências pedagógicas que vêm sendo desenvolvidas em todo o Brasil.

http://www.petrobras.com.br/

O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, filantrópica, detendo titularidade de Utilidade Pública Federal, com status de Consultor Especial do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas – ECOSOC, desde julho de 2013.

http://www.cieds.org.br/